sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

QUASE MIL JUMENTOS CONFINADOS SOFREM MAUS-TRATOS NO INTERIOR DA BA



Aproximadamente 800 jumentos estão sofrendo com a falta de água, alimentos e cuidados adequados na Fazenda Santa Rita, que fica nas margens da rodovia BR-116, no município de Euclides da Cunha (BA). O caso ocorre dois meses depois da Justiça Federal da Bahia fechar um abatedouro do animal no Estado. Desde setembro passado, denúncias de maus-tratos com jumentos foram divulgados na Bahia, onde o abate do bicho havia sido autorizado no começo de 2018.
Até o momento, cerca de 200 jumentos já morreram de fome e sede. Funcionários da  Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) já foram até a propriedade verificar a situação. Um chinês e um brasileiro, apontados como responsáveis pelos animais, foram encaminhados para a delegacia, onde prestaram depoimento e depois foram liberados. O caso deverá ser encaminhado ao Ministério Público para abertura de um inquérito.

Foi constatada, na fazenda, a presença de duas valas que foram abertas para desovar os bichos mortos. Ainda assim, existem jumentos que estão agonizando no chão em meio aos animais vivos que estão magros, doentes e em condições precárias.
O prefeito de Euclides da Cunha, Luciano Pinheiro, confirmou o caso em seu Facebook. Segundo o laudo de vistoria da prefeitura, a propriedade deveria servir de abrigo temporário para os jumentos, mas o tempo determinado já foi ultrapassado. Com o fechamento do abatedouro em Itapetinga, os animais tiveram que ser encaminhados para outro local. 
“Estamos monitorando e tomando as providências cabíveis em relação aos jumentos encontrados em cativeiro inadequado e preparados para ser enviados ao abate”, disse Pinheiro. “Em consequência dessa visita, foi feito um laudo que serviu de base para ingressarmos com queixa na Polícia Civil e na Polícia Militar.”
A suspeita é que o dono da fazenda esteja relacionado com o caso de Itapetinga, onde diversos jumentos foram encontrados mortos também com sinais de maus-tratos no final de 2018. “Estão confinando os jumentos e suspeitamos que estejam ocorrendo abates clandestinos”, declara Rebeca Almeida, voluntária da ONG SOS Animais de Itapetinga.
Ano passado, a justiça da Bahia havia autorizado o frigorífico Sudoeste, em Itapetinga, a abater jumentos para fins comerciais. A carne o couro dos bichos são exportados para a China, onde os produtos são encaminhados para as indústrias farmacêuticas e de cosméticos. 
Fonte Revista Globo Rural