segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

ESTUDOS COM PALMA FORRAGEIRA NO SERTÃO DO ESTADO MOSTRAM BONS RESULTADOS


Uma experiência com palma forrageira irrigada, em uma área de estudo localizada no Escritório Municipal do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), em Calumbi, no sertão, apresentou sucesso na forma como foi conduzida e, além disso, apontou caminhos para o controle da cochonilha do carmim. O cultivo aconteceu em fileira dupla, com manejo, tratos culturais e práticas bem próximas às condições que os pequenos agricultores dispõem em seus imóveis – mostrando uma preocupação do IPA em realizar um estudo viável e acessível a todos.
Foram 145 covas da variedade Orelha de Elefante Mexicana conduzida até o quarto ano sem a utilização de nenhum tipo de adubo, porém, irrigada por gotejamento e com o objetivo de controlar a Cochonilha do Carmim. A palma vem sempre sendo mantida consorciada com milho e feijão ou com a vegetação herbácea sem ser capinada, proporcionando assim abrigo para os inimigos naturais.
Na colheita realizada agora em janeiro, os extensionistas do IPA resolveram  deixar no solo um número maior de raquetes por planta, para que se possa observar se essa prática pode proporcionar aumento na produtividade na colheita prevista para janeiro de 2020. Esta primeira coleta das raquetes de palma foi realizada por 18 famílias assistidas pelo IPA nos municípios, sempre em mutirão e sem gerar custos para o escritório local. A exemplo das demais colheitas realizadas, as raquetes estão sendo replantadas nos imóveis desses agricultores.
O Trabalho é uma iniciativa do técnico local Antonio Pereira de Barros, auxiliado pelo colega Wendell Barbosa, com apoio da gerência regional de Serra Talhada, via Tito Antonio Ferraz Jota, supervisor regional de extensão rural daquela Gerência. (Fonte:Núcleo de Comunicação do IPA)