quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

PAULO NÃO DEVE CHAMAR DEPUTADOS FEDERAIS PARA O SECRETARIADO


O pós-Natal trouxe consigo uma informação que pode mudar completamente a correlação de forças na Frente Popular. É que o governador Paulo Câmara, dizem aliados em reserva, teria se decidido por não convocar nenhum deputado federal para seu secretariado. A decisão joga um balde de água fria em diversas forças políticas do estado, que contavam com um cenário de até quatro federais no primeiro escalão, abrindo as vagas dos suplentes. A decisão, ressaltam as fontes, não se aplica aos deputados estaduais.

De cara, a não convocação de deputados federais confirma uma notícia antecipada pela coluna de que João Campos, eleito com a maior votação da história, vai mesmo ficar em Brasília exercendo o mandato. O filho de Eduardo, inclusive, será um representante do PSB de Pernambuco com mais presença na cúpula do partido. Sem mandato a partir de janeiro, os governadores Márcio França (São Paulo) e Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal) podem virar empecilhos na hegemonia do estado no comando partidário.
Outro que deve ficar na capital federal é Felipe de Carreras, que, afastado do núcleo governista em Pernambuco, está sendo procurado para voltar ao ninho – restaria saber se o parlamentar manterá o espaço do seu grupo no governo. Quem ficará de fora nessas condições é Milton Coelho, ex-secretário de Administração e primeiro suplente da coligação. O socialista, contudo, deve ser aproveitado no governo.

Opção do PT para a nova Secretaria de Desenvolvimento Agrário, o atual presidente da CUT, Carlos Veras, já estava até fazendo elogios ao governador em entrevistas. Veras era um dos generais de Marília Arraes na pré-campanha da vereadora ao Campo das Princesas. Sua ida para o governo era vista como uma forma de “matar dois coelhos com uma só cajadada”, porque abriria espaço em Brasília para o primeiro suplente do PT, Odacy Amorim, ao mesmo tempo em que o afastaria de Marília. Com isso, o indicado do PT para a pasta deve ser mesmo o estadual eleito Doriel Barros, da Fetape, que assegurará vaga na Alepe para o ex-prefeito João da Costa e na Câmara do Recife para Oscar Barreto.

Outro que sonhava acordado com a convocação de um deputado eleito da sua chapa – PP, PR e SD – era Kaio Maniçoba, também primeiro suplente. Kaio, que foi secretário de Habitação de Paulo, teria articulado a vaga de vice na chapa de Armando Monteiro, fechando as portas no governo. Por fim, ainda havia a possibilidade de Sebastião Oliveira, da mesma coligação, voltar ao primeiro escalão estadual. Como perdeu o comando do PR, o parlamentar deve ter seu espaço reduzido no governo. (Por Arthur Cunha - Via Blog do Magno Martins)