sábado, 1 de julho de 2017

GOVERNO APRESENTA OFICIALMENTE NOVO SECRETÁRIO DE DEFESA SOCIAL DE PERNAMBUCO

Paulo Câmara (D) apresenta oficialmente o novo secretário de Defesa Social de Pernambuco, Antônio de Pádua (E)Em reunião semanal do Pacto Pela Vida, nesta quinta (29), o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, apresentou oficialmente o até então corregedor-geral Antônio de Pádua, que assume a cabeça da Secretaria de Defesa Social (SDS). Pádua substituiu Angelo Gioia, que estava no cargo desde o último mês de outubro e pediu demissão por motivos pessoais.
"Fizemos 900 prisões no primeiro semestre. Não podemos aceitar que violência tome conta do Estado. Ele (Pádua) vai ter apoio, como teve Angelo", disse o governador. 
“Vou receber a SDS com grandes avanços e conquistas”, disse Pádua em discurso, reforçando que dará continuidade às ações em curso, com foco nas investigações de homicídios, assaltos e tráfico de drogas.

“A partir do segundo semestre deste ano, teremos a formação de cerca de 900 policiais (civis), que integrarão as fileiras de combate à criminalidade”, completou o novo secretário. Para a Polícia Militar, Pádua destacou que há 1,5 mil novos policiais em formação e que outros 1,3 mil se juntarão à corporação até o fim do ano.

Surpresa
Em nota enviada à impressa, o Sindicato dos Policias Civis de Pernambuco (Sinpol-PE) disse que o governador Paulo Câmara pronunciou esperar que Antônio de Pádua dê prosseguimento ao trabalho iniciado pelo ex-secretário Ângelo Gioia, o que teria surpreendido a categoria.

"O Sinpol defende que, diferente do que vinha sendo praticado pelo antigo titular da pasta, é preciso estabelecer canais de diálogo entre a SDS, as entidades classistas, a sociedade civil organizada, as universidades e todos os que queiram contribuir com a solução da crise de segurança pública instaurada no Estado há anos."

A classe ainda pontuou que é imprescindível que haja aumento no efetivo, remuneração justa, melhores condições de trabalhos e equipamentos modernos para os policiais do estado. Na opinião do presidente do Sinpol, Áureo Cisneiros, "falta compromisso com a segurança pública do Estado e humildade para, inclusive, assumir as falhas e resolvê-las." Folha PE