domingo, 2 de julho de 2017

COM REFORMA DA PREVIDÊNCIA EM RISCO, GOVERNO ESTUDA FIM DO ABONO SALARIAL

Beto Barata/PRMais uma vez, a conta do arrocho de Michel Temer chegará para os mais pobres. Neste caso, os 22 milhões de trabalhadores que ganham até dois salários mínimos e estão inscritos no PIS/PASEP há mais de cinco anos, tendo assim direito ao abono salarial.
Se a votação da reforma da Previdência naufragar no Congresso Nacional, a equipe econômica já trabalha com uma. A ideia é acabar com o pagamento do abono salarial.
O benefício, que é pago anualmente, custará R$ 17 bilhões neste ano.
O benefício também passou a ser pago proporcionalmente ao tempo de serviço, de maneira semelhante ao 13.º salário – ou seja, atualmente varia de R$ 78 a R$ 937. O custo político do fim do abono salarial, porém, seria bem alto, uma vez que seus beneficiários são a camada mais pobre da população.
Embora o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, considere ainda viável a aprovação das novas regras para aposentadorias e pensões no segundo semestre, depois da votação da reforma trabalhista, sua equipe tem em mãos uma série de medidas que poderão ser adotadas no caso de a proposta de reforma previdenciária ser desidratada ou mesmo não for aprovada.

Brasil 247 -